Entrevista Luciano Dias: o criador do “Strongman adaptado”

MAD – Luciano, conte um pouco sobre você: onde e quando você nasceu, como é sua família e como foi sua infância. Que tipo de atividade você mais curtia quando pequeno?

LUCIANO – Eu nasci em São Paulo, mais especificamente na zona norte. Nasci em 11 de junho de 1981. Minha família é de Minas Gerais. Meu pai sendo o irmão mais velho deixou a roça e veio pra São Paulo em busca de uma vida melhor. Logo depois voltou para se casar e trazer minha mãe (que também trabalhava na lavoura) para São Paulo também. Em 1981 eu nasci. Minha infância foi bem simples, mas muito feliz e saudável. Adorava brincar de coisas que hoje em dia infelizmente estão se perdendo como: Esconde-esconde, bola de gude pega-pega e por aí vai. Só nunca fui muito fã de pipas e balões, mas brincar da famosa ”lutinha” era espetacular. Sempre fui fascinado por artes marciais. E depois de brincar de luta com meu tio, este tentou convencer meu pai a me colocar no karatê. Eu queria muito, mas meu pai sempre me enrolava rs….. Dizendo que era só para adultos rs… Como cresci em um bairro pobre, não sei se o motivo era me manter ocupado, ou me manter longe de más amizades, consequentemente longe das drogas, ou simplesmente para ter um futuro melhor, mas meus pais fizeram questão de investir na minha educação. Eu estudava em escola publica e aos 9 anos minha mãe me matriculou em um curso de Inglês. Por ter um tio que morava e mora até hoje em Nova Iorque e ter vencido na vida depois de muito trabalho (pois também trabalhava na roça), creio que foi um dos motivos para que minha mãe me matriculasse no curso. Por ser criança, tinha muita facilidade e desenvolvi rápido meu inglês. Nesta mesma época consegui convencer meus pais a me deixarem fazer o tão sonhado karatê. Esta fase foi bem corrida porque fazia inglês duas vezes na semana, karatê três vezes e trabalhava em uma lanchonete ajudando meu pai (isso com uns 11 ou 12 anos). Logo depois disso comecei a sentir fortes dores na coluna lombar por conta de uma escoliose. As dores eram insuportáveis. Creio que a fase do estirão tenha contribuído para isso. Lembro que em fases extremas eu não conseguia ir para a escola e muitas vezes meu pai tinha que me carregar de um cômodo a outro da casa por não conseguir andar. E aos doze anos tive uma grande decepção: um médico mal preparado (obvio), disse que eu deveria parar com o karatê imediatamente e começar a fazer natação. Nesta época eu era faixa verde. Era o aluno mais novo e o mais graduado e coincidentemente o mais novo no curso de inglês também. Revoltei-me e disse que já que teria que parar o karatê pararia o Inglês também. Graças a Deus minha mãe não deixou. Ela sempre foi muito esperta rs… Jogava com o psicológico. Ela dizia que eles deixavam de colocar coisas em casa…. às vezes atrasava o aluguel… tudo pra que eu não precisasse parar com meu curso e eu ia jogar tudo fora? Então continuei né? Rs fazer oque? Rs. E então comecei com a natação. Mas como gravei uma frase do meu tio na qual dizia: “Tudo que você se predispor a fazer, faça bem. Seja o melhor”. Então por mais que eu não fosse muito fã de natação, me dediquei. Tinha o melhor tempo nas avaliações da academia. Paralelo a isso, usava a meditação na minha cura das dores na coluna. E aos poucos foi melhorando. Aos quatorze finalmente me formei no inglês e de quatorze pra quinze praticamente estava de saco cheio de natação rs…. e quis voltar para as artes marciais. Depois de assistir a um filme de capoeira, fiquei fascinado e advinha… rs. Sim comecei a fazer capoeira. Meus pais acharam que eu estava louco pelo problema que tive na coluna, mas não deixaram de me apoiar. Graças a Deus não senti, mais dores na coluna como sentia antes, mas de vez em quando sentia um desconforto. Então nessas fases eu respeitava meus limites e maneirava nos treinos. Ao me formar no colegial, eu quis tentar durante um ano realizar meu sonho que era ser jogador de futebol. Pois apesar de não mencionar, jogava futebol também durante toda minha infância e adolescência. Então como estava em fase de se alistar no exercito e provavelmente não conseguiria emprego, resolvi tentar mais um ano. Fiz teste em um time de futebol de campo e passei. Fui para o Paraná e fui o único selecionado entre 22 jogadores para ficar. Mas como futebol rola aquela “máfia” com relação a empresários e cartolas eu me enchi.

 

MAD – Como foi sua Educação Física escolar? Se você pudesse hoje conversar com seus professores daquele tempo, o que você diria?

LUCIANO – Minha Educação física escolar foi bem pobre com relação ao desenvolvimento da criança como um todo. Porém como eu praticava outros esportes, não senti muita falta. Mas creio que se não fosse minhas atividades extras, teria um repertório motor mais comprometido. Contudo pra mim foi bom porque eu adorava futebol. E era o que fazíamos na educação física escolar: Jogava Futebol. No colegial começamos a jogar handebol. Engraçado que eu não sabia nada, então comecei a jogar no gol. Ganhei troféu de melhor goleiro, melhor atleta e goleiro menos vazado no campeonato escolar. Rs. Sinceramente não sei oque diria a meus professores se os reencontrassem. Naquela época era comum este tipo de conduta….

 

MAD – Antes da faculdade, você praticou algum esporte? Como foi?

LUCIANO – Sim muitos. Inclusive ganhei medalhas em campeonatos de Karatê, natação, Futsal, futebol e capoeira. E na faculdade joguei handebol por pouco tempo.

 

MAD – Como foi a decisão de cursar Educação Física?

LUCIANO – Na época que estava para assinar o contrato com o time do Paraná, chamei meu técnico pra conversar. Disse a ele que tinha vontade de fazer Educação Física. Tinha vontade de trabalhar com crianças em escola. E que começaria a distribuir currículo nas academias para dar aula de capoeira, pois nesta época também apesar de ser um dos mais novos, era o mais graduado na capoeira. Isto foi em dezembro de 1999. Disse ao meu técnico que faria o vestibular e se eu passasse teria até fevereiro para resolver minha situação. Caso não rolasse de assinar contrato com o time, eu ia desencanar de futebol. E assim foi. Passei no vestibular e em janeiro de 2000 distribui currículos para dar aula de capoeira. Foi uma época bem corrida, porém o pior estava por vir. Como não tinha computador, tinha que fazer o TCC na casa de amigos que tinham. E meu TCC foi entregue com um dia de atraso por não ter tido lugar para imprimir, acredita? Meu caso teve que ir pra julgamento onde todos os professores tiveram que votar para ser aceito ou não. Graças às minhas notas (pois nem podia pensar em ficar de DP porque não tinha como pagar) e ao meu relacionamento com os professores, meu TCC foi aceito e pude me formar em 2003.

 

MAD – Você teve lesões e problemas de saúde sérios. Conte um pouco como foi enfrentá-los

LUCIANO – Na verdade meu único problema serio que tive foi com relação a minha coluna lombar mesmo. Apesar de ter sido uma criança fisicamente ativa, nunca quebrei nada. Que me lembre foi só…. mas já tá bom né? Rs…. foi o suficiente

 

MAD – A escolha pela Força e pelo Strongman: como foi?

LUCIANO – Pois é…. rs Como disse anteriormente, sempre quis cursar Educação Física para trabalhar com Educação Física escolar. Quando entrei na faculdade, em janeiro de 2000, deixei currículo nas academias para dar aula de capoeira. Caso não conseguisse emprego até junho, eu teria que trancar a faculdade pois não tinha como meus pais pagarem sozinhos minha faculdade. Em abril eu consegui um emprego na área de telemarketing, na qual trabalhei por 9 meses e não aguentei mais. Precisava de algo na minha área. Fui mandado embora dia 9 de janeiro de 2001. Incrivelmente dia 10 (no dia seguinte) o telefone de casa toca. Era a proprietária de uma academia falando sobre o currículo que tinha deixado há um ano. Me espantei e confesso que me arrepio ainda quando falo sobre isso. Pois foi ali o marco e o divisor de aguas da minha vida. Mas tinha um detalhe: Eles precisavam de professor de musculação, não de capoeira. Mas eu disse que iria lá pra conversar. Cheguei lá todo “mirradinho” e acertamos de começar no dia seguinte. Foi a minha sorte, pois EU NUNCA TINHA TREINADO MUSCULAÇÃO NA VIDA RS. Sai de lá e a primeira coisa que fiz foi passar na casa de um amigo e falar: “Fauze, vamos lá na academia onde você treina e você vai me falar o nome de cada aparelho e pra que serve cada um”. Então fomos. Lembro que tinham algumas pessoas treinando e viam meu amigo me explicando e diziam: “Você vai dar aula? E nunca treinou? Complicado hein?”. E dali saí com minha “bíblia” que guardo até hoje. Um caderninho que continha informações “valiosíssimas” como: 3 de quinze é pra emagrecer e 4 de 10 é hipertrofia  há há há….. Eu estava no segundo ano da faculdade, nunca tinha treinado e seria professor de uma academia de ferreiros de verdade! Não seria estagiário não! Seria o único professor da sala mesmo! Foi sem duvida uma das maiores escolas que tive na vida. Lembro que no primeiro dia os caras me olharam como se quisessem falar: “O que esse frango tá fazendo aqui” rs. E assim foi…. Alguns alunos me pediam ajuda com alguns exercícios e eu mal sabia como ajudar. Comecei a me virar lendo muito livro e conversando muito com alunos mais experientes. Neste período obvio que comecei a treinar musculação, Kung Fu e MMA (que na época era chamado de vale-tudo). E comecei a dar muita atenção para os alunos que não eram tão “grandes”. E com isso começaram a vir muitos alunos para o meu horário. Em quatro meses que comecei a treinar e acertar minha dieta meu corpo mudou drasticamente! Era o estimulo que faltava e era a genética respondendo. Agora podia entender na pratica porque meus tios da lavoura eram todos “trincados”. Porque minha avó tinha antebraços fortes e vascularizados. Vi naquele período que não largaria jamais aquilo. Ali era meu mundo. Comecei com a ideia de ser fisiculturista. Cheguei a fazer apresentação na academia, mas não passou disso. Nesta época conheci um atleta de supino chamado Silvio Vitório. Eu já tinha me aprofundado tanto na musculação que aqueles alunos que me achavam uma zebra me respeitavam muito a esta altura. (Até hoje quando visito as academias que trabalhei, a academia para para vir falar comigo. É muito gratificante). Dei uns toques no treino do Silvio e fui acompanha-lo no que foi chamado de primeiro campeonato brasileiro de strongman. Não é considerado oficial porque não tinha nenhuma federação na época. Ele me convenceu a entrar na categoria até 100 kg. Decidi na hora, só ia acompanha-lo mesmo. Mas resolvi tentar a sorte rs. E foi ali que digo que o strongman me escolheu. Não fui eu quem escolheu o strongman. Ele me escolheu. Os gritos liberados durante as provas a sensação de puxar um caminhão foi algo indescritível que me arrepia até hoje. Aquela foi a hora que eu me encontrei. Exorcizei todos os meus problemas. Antes das provas lembrava das noites sem dormir fazendo trabalhos da faculdade. Trabalhar em duas academias e estudar a noite. O fato de quase não ter conseguido me formar…… tudo isso subia pro peito e bum! A força vinha e não sabia como contê-la….. Mas não era mesmo pra contê-la…. era para usá-la…. deixar explodir. E isso era demais! Depois que me formei fui trabalhar em Alphaville com musculação e kung fu, onde conheci meu técnico, Hussein Omairi, que foi praticamente um segundo pai pra mim. Ele era do levantamento olímpico e tinha um método de treino na qual consistia em treinar só os exercícios básicos de cada musculo, porém todos os dias! Isso, todo dia! Experimentei e minha força decolou na época. Ele fazia um trabalho mental comigo fantástico na qual aplicava na minha vida pessoal. Lembro que saia da academia que trabalhava aqui em São Paulo as 22:00hs. Chegava em Alphaville e treinávamos até 0:00 e depois caia na piscina gelada. Era estilo Rock Balboa há há há. Passado este período fui aprimorando meus treinos e alimentação até chegar ao meu ritmo atual

1907534_10204038886803724_1493320040702145624_n

MAD – Você é conhecido por aplicar elementos do Strongman ao treinamento em geral: por que?

LUCIANO – A meu ver o strongman é a modalidade que mais se assemelha com as atividades da vida diária. Contém os elementos básicos como levantar, empurrar, puxar, arrastar e transportar. Ao fazer este tipo de treino você melhora e muito seu objetivo final que pode ser o power lifting, artes marciais e outros. Pois você fica mais ágil, resistente, forte e rápido. Tudo que seu corpo precisa.

 

MAD – o trabalho com idosos: fale um pouco sobre essa opção e como é trabalhar com essa população

LUCIANO – O strongman trabalha diversas capacidades físicas como foi dito anteriormente. Capacidades estas que ficam mais comprometidas com o passar dos anos. São elas: força, equilíbrio, resistência, coordenação dentre outras. Nos não percebemos a importância destas capacidades, pois as temos bem desenvolvidas (pelo menos para as atividades da vida diária). Na velhice percebemos o quão elas são importantes ao ver a dificuldade de um idoso caminhar, levantar e sentar, transportar objetos de um lugar a outro e se equilibrarem. Minha família e eu vimos minha superação na época que tive as crises de dores lombares e, mais que isso, após passar por este problema de saúde, levantar as cargas que levanto e praticar o esporte que pratico, levou-me a tentar proporcionar uma vida mais digna a pessoas que um dia fizeram (e ainda fazem) muito por nós: IDOSOS. Como disse, minha pós-graduação foi nesta área. E hoje dou aula na mesma pós-graduação de esportes de força e, um dos temas abordados é o strongman competitivo e adaptado. Como disse anteriormente o strongman é muito parecido com as atividades da vida diária. Oque faço é adaptar as limitações e incluir no treinamento das capacidades físicas mencionadas no início. Por exemplo: no arremesso de barril, eu adapto e faço com que eles arremessem almofadas trabalhando explosão, equilíbrio e coordenação. Este é só um dos exemplos, temos inúmeros. Muitos de meus pacientes voltaram a andar, saíram da cadeira de rodas, pois estavam enfraquecidos, com sarcopenia (perda de massa muscular e consequentemente de força) e totalmente dependentes. Mais do que força, você poder devolver a uma pessoa a dignidade, é sem duvida no mínimo gratificante.

 

MAD – Você tem agora uma filhinha recém-nascida. Como é ter tanta intimidade com as duas pontas do desenvolvimento da força (bebês e idosos)?

LUCIANO – Tenho sim… a Isa. Ela é o meu Norte. E sim, já brinco com ela introduzindo aos poucos movimentos básicos. Deixo sempre ela brincando no chão (claro que coberto) e quero que continue assim. Quero que, apesar dos dias de hoje contribuir para que nossas crianças cresçam cada vez mais sedentárias, ela tenha uma infância saudável como eu tive. Com isso ter uma boa fase adulta e consequentemente uma boa velhice. Hoje tenho uma academia que trabalha o strongman adaptado. Pra quem não teve a oportunidade de se cuidar desde o inicio, minha dica é que não só para o strongman, mas para qualquer coisa que queira fazer na vida, NUNCA É TARDE! E como preparador de atletas de diversas modalidades, fico feliz em vê-los concluírem uma prova, validar um movimento, marcar um ponto, porém gratificante também é você fazer com que um idoso consiga se levantar sozinho de uma cadeira e diga a ele: VALIDO O MOVIMENTO!

10941826_10204076029412266_2494345783410043541_n

André Giongo: lei, luta e esporte

André, onde e quando você nasceu? Conte um pouco como era sua infância, se você brincava muito na rua ou era um garoto videogame. O que você mais gostava de fazer?

Resposta:  Nasci em São Paulo no ano de 1976. Minha infância foi bem diferente do que vemos hoje em dia. Na minha época ainda não tinha vídeo games, brincávamos na rua jogando bola, brincando de policia e ladrão, esconde-esconde, pega-pega, siga o mestre entre outras brincadeiras.

Nessa época inventaram o primeiro vídeo game chamado Atari, porém nunca gostei de vídeo game, meu negocio era brincar na rua, ter aquela liberdade para correr, saltar, cair, se machucar…  

 

Quando você começou a praticar esportes? Quais eram? O que você gostava mais?

Resposta:  Comecei na escolinha de esportes do clube Banespa, onde aprendíamos todas as modalidades. A modalidade que eu mais gostava era o futebol.

Porém quando era pequeno adorava uma confusão e para aprender a me defender e “gastar energia” meu pai me levou para  conhecer o Judo, que pratiquei durantes uns anos. Depois voltei para o futebol e esportes de quadra.   

 

Como foi a sua relação com os vários esportes até chegar aos de força? Quais esportes você se interessa mais, mesmo sem praticar?

Resposta:  Até os quinze só praticava esportes de quadra, sendo o meu favorito o handball, o qual joguei durante algum tempo pelo Esporte Clube Sírio e  pelo Clube Banespa. Quando fiz quinze anos voltei a praticar luta e comecei a fazer capoeira com o Mestre Santana da Luna e lá conheci a Abadá-Capoeira do Mestre Camisa. Em São Paulo naquela época tinha um grupo de capoeirista comandos pelos capoeiristas  Peixe Cru e Tucano Preto que estavam entrando para o grupo Abadá. Treinava com eles aos sábados na USP. Nessa época começou a surgir em São Paulo o Jiu-jitsu, em meados de 1993/94. Porém o jiu-Jitsu era caro para se praticar e no  inicio apenas as academias “mais chiques” tinham esse  modalidade. Diminui os treinos de capoeira para praticar musculação pois queria ficar grande e forte. Logo na sequência, um conhecido do bairro começou a dar treino de Jiu-jitsu. Como tínhamos amigos em comum, acabei indo treinar Jiu-Jitsu com o Roberto Godoi, faixa marrom na CBA Academia. Treinei Jiu-Jitsu durante uns 4 anos, sendo 2 anos direto e 2 anos treinando e parando por causa do trabalho. Já tinha uma noção boa de chão e resolvi aprender Boxe. Comecei a treinar com o Atila Cebola, que puxava os treinos de boxe na extinta Godoi Macaco, onde treinei entre dois e três anos. Foi quando um amigo começou a dar aula de Muay Thai, o Gustavo Treta, na academia do Roney Alex, conhecido e renomado mestre de Muay Thai. Me convidou para treinar com ele, pois tinha uma  boa noção de mão e precisava aprender a chutar. Começamos a treinar na Av. Jandira onde o Mestre Roney Alex puxava os  treinos da equipe dele. Na sequência o Gustavo Treta arrumou uma academia para dar aula e fui com ele como assistente. Nesse período e através do Luiz Azeredo, vulgo Luizinho, que já estava na Chute Boxe e Gustavo Treta, também começou a fazer parte da Chute Boxe Sp. Nessa época as lutas ainda não tinham tanto espaço na mídia como hoje em dia. Foi aí que eu percebi que estava diante de um dilema: ganhar dinheiro ou fazer o que gostava. Acabei optando por fazer o que gostava, mesmo que isso me levasse a cursar outra faculdade e começar do zero tudo de novo.           

IMG_4305

boxecausaadibira.1

Você estudou direito e depois Educação Física. Como foi essa opção? Você acha que o direito ajuda você a pensar o treinamento e o esporte?

Resposta:  Sou bacharel em dIreito, porém não tirei a OAB, pois quando me formei estagiava de manhã na Prefeitura de São Paulo na Regional da Sé e depois na Rgional da Vila Mariana e  trabalhava com atividade física, dando aula de Muay Thai e Musculação no período da tarde. Foi aí que percebi que minha praia era a dos esportes e não a jurídica. Então  voltei  a estudar e me formei em Educação Física.

O direito é uma faculdade que deveria ser obrigatória para todos,  pois ela abre muito a sua cabeça em relação aos seus direitos e deveres. E tem me ajudado muito na área da Educação Física, pois o Direito não é uma ciência exata, ele é muito subjetivo, pois depende da interpretação pessoal do que está escrito. A Educação Física também não é ciência exata e isso é o que mais me atrai nela,  pois cada aluno tem o seu tempo de  desenvolvimento, de aprendizagem, de aperfeiçoamento motor.    

 

Como você se define como treinador? O que é ser treinador para você?

Resposta: Sou uma pessoa  calma e bem paciente, porém como treinador  sou um cara exigente e até chato. Só paro de pegar no pé do aluno quando ele estiver realizando o exercício de maneira correta. Vou confessar uma coisa, gosto de ver o aluno sofrer, de sentir que ele esta se dedicando aos treinos e o mais gostoso é ver a cara de satisfação do aluno quando atinge um objetivo.

Ser treinador, na minha concepção, é incentivar o aluno a sempre estar fazendo o seu melhor, é ser um pouco psicólogo, amigo, irmão mais velho, dar conselhos e influencia-lo  de maneira positiva não só durante o treino para que ele seja uma pessoa melhor durante a sua vida, independente de estar treinando comigo ou não.      

 

Fale um pouco sobre o fisiculturismo, sua passagem por ele, e a herança para os demais esportes de força

Resposta: O fisiculturismo apareceu em minha vida na época  em que trabalhei na  Espártaco  Academia, como existiam muitos atletas que treinavam lá e depois de preparar um aluno para competir, resolvi botar a cara a tapa e competir também. Isso aconteceu em 2006: competi na Copa Corpo e Saúde da Academia Gaviões de Guarulhos, onde fui campeão da categoria Class I nível intermediário.  

Uma coisa que acredito é que para você poder falar de alguma coisa, ou trabalhar com algo você precisa conhecer, praticar, vivenciar. Por isso acredito que um bom professor tem que saber treinar, não precisa ser atleta, mas tem que, pelo menos colocar a mão na massa e treinar.

O fisiculturismo apesar de trabalhar com pesos é considerado uma  modelagem física, pois na hora da competição não depende da sua força para vencer, diferente de outros esportes de força onde o mais forte é testado na prova.        

copacorpoesaude

Musculação: o que é isso para você? Se você tivesse que transformara as salas de musculação no seu ideal, como faria?

Resposta: Hoje vejo a musculação com outros olhos. Quando comecei a treinar a musculação só servia para o praticante conseguir um corpo mais hipertrofiado e bonito. A musculação era muito mal estudada, existia um monte de restrições para quem quisesse praticar. Nos dias de hoje a musculação passou de um esporte mal visto, para um esporte que é indicado por cardiologistas,  por fisioterapeutas, por geriatras. Esses são apenas alguns exemplos de como podemos usar a musculação para melhorar a saúde de nossos alunos.

Minha sala de musculação seria com poucas máquinas e muito peso livre. Usaria as máquinas em determinadas situações que elas fossem realmente necessárias.  Exemplos leg press,  lat pull down,   Muitas gaiolas de agachamento, bancos de supinos, tablados para fazer o levantamento terra e os levantamentos olímpicos, kettelbel, elásticos, correntes, caixotes,  anilhas e barras.                 

 

Quem são seus ídolos no esporte? Com quem você mais aprendeu?

Resposta: Meus ídolos são:

Nas artes marciais o Hélio Gracie, que só começou a praticar o jiu-jitsu depois de alguns anos vendo seu irmão ministrar as aulas. E por ser muito pequeno e leve teve que aprimorar o jiu-jitsu para as suas  necessidades, surgindo assim o Brazilian jiu-jitsu ou Gracie jiu-jitsu.

No futebol o Ronaldo fenômeno pela sua força de vontade e superação dentro e fora dos gramados. Além de ter sido jogador do Corinthians meu time de coração. 

Cheguei onde queria, meus ídolos nos esporte de força, são José Carlos Vidal que tive a oportunidade estagiar e depois trabalhar com ele no Esporte Clube Sírio.. Uma pessoa humilde, de um conhecimento ímpar sobre os esportes de força, pois foi praticante de LPO  (com  alguns títulos regionais e nacionais), de powerlifting (vários títulos regionais,  nacionais e internacionais), luta de braço, mais conhecido como braço de ferro ( sendo campeão mundial algumas vezes com os dois braços)

E claro minha amiga e antiga parceira de treinos Marília Coutinho, a história de superação dela é impressionante. Uma mulher muito inteligente, corajosa e muito, mas muito forte.

Ela é a única mulher da América latina à ser campeã interfederativa ( ou seja todas as federações juntas) de agachamento em 2012 e é a atual campeã interfederativa de supino em duas categorias diferentes.               

Mestre Vidal Porão

marilia+andre

E a pergunta que não quer calar: por que você inventou a MAD? O que espera dela?

Resposta: A MAD surgiu durante um treino nosso, como sempre estávamos conversando sobre como poderíamos ganhar dinheiro fazendo o que gostávamos. Nessa época a Marilia já estava realizando o curso de 5 levantamentos com O Joel da CrossfitBrasil.  Pórem o crossfit cresceu muito rápido e como o Joel era um dos responsáveis pelo crossfit no Brasil ele acabou ficando sem tempo para fazer os cursos com a Marília. Foi daí que eu tive a idéia de criar uma equipe para ministrar os cursos de powerlifting, tendo como principal professor, claro que a própria Marília.   A idéia inicial era Marília como professora titular e eu apenas como ajudante, mas como estava trabalhando como personal e não tinha muito tempo extra para me dedicar a MAD, a Marília chamou um aluno que ela conheceu quando dava um  curso pela Gama Filho.  Assim surgiu a primeira formação da MAD, que passou algumas mudanças e agora contamos com uma série de professores muito bem qualificados e que além de saberem ensinar também praticam o que ensinam.